The news is by your side.

Elena Vavilova, a última espiã da antiga KGB

 

Se ela tem que usar as mãos para contar, Elena endireita os dedos como um americano faria, em vez de dobrá-los como uma mulher russa faz. Detalhes como esse, triviais para qualquer um, foram cruciais para se camuflar como espião da KGB russa na sociedade americana. Ela está em Moscou desde sua deportação em 2010. Lá ela agora trabalha como escritora, palestrante e ex-espião com o posto de coronel, apesar de nunca ter recebido treinamento militar ou instruções sobre como matar ou envenenar.

Agora ela prefere o silêncio. Nem sequer comenta a guerra na Ucrânia. “Não comento sobre questões políticas atuais. Sinto muito”. Sua história inspirou a série ‘The Americans’, lançada em 2013, e ela mesma a ficcionalizou em seu livro ‘Uma mulher que sabe guardar segredos’. Não fosse isso, nosso imaginário, tão condicionado pela ficção, nos levaria ao mito da femme fatale que arrasta os homens à loucura. Sensual, misteriosa, imperturbável, calculista, insensível e sedutora, ao estilo Mata Hari. Alguns desses traços podem defini-la, mas aquela dançarina era uma cortesã que aceitava dinheiro dos dois lados. Para Vavilova, negar a pátria significaria “abandonar sua alma em um deserto árido”.

Seu amor incondicional pela Rússia foi posto à prova, sem que ela soubesse, quando estudava história na universidade de sua cidade siberiana de Tomsk, em 1983. Membros da KGB a incluíram em um processo de seleção que incluiu reuniões e favores que ela recebeu como um jogo misterioso até que lhe foi proposto que se mudasse para o exterior, talvez para sempre, e se envolvesse em uma atividade secreta que, além disso, implicaria um alto risco. Ela foi escolhida para uma tarefa importante. A ideia a deixou sem fôlego, mas a decisão foi tomada e ela se sentiu pronta. “Ele acreditava firmemente que a KGB protegia o povo soviético”. A mesma coisa aconteceu com o namorado dela, Andrey Bezrukov. No terceiro ano, eles se casaram e se mudaram para Moscou, onde completaram sua carreira de ensino a distância enquanto treinavam como agentes.

microfone KGB

A KGB era uma organização poderosa com tentáculos em todo o mundo. Putin começou sua carreira lá em 1975, e foi seu trampolim para o poder. “Os jovens foram educados no compromisso de defender sua pátria se necessário; foi completamente natural, um verdadeiro sonho, a maior aspiração e um dever compartilhado”, escreve em seu livro. Por um tempo, o casal recebeu treinamento de elite na busca de informações confidenciais, recrutamento de informantes, uso de sistemas de criptografia, manuseio de armas e organização de operações. Eles também aprenderam a falar várias línguas sem entregar seu sotaque eslavo.

Em 1999 eles se estabeleceram em Massachusetts fingindo ser os canadenses Donald Heathfield e Tracey Ann Foley, nascidos em 1962 e que morreram com poucas semanas de vida. Eles tiveram dois filhos, Alex e Tim, e abraçaram a vida de uma típica família americana. Criados na Sibéria durante a Guerra Fria, eles ficaram chocados com a existência de secadores de roupa, mas se ajustaram bem ao conforto. Imitaram seus gestos e aprenderam suas tradições, histórias, canções e orações. Vavilova se interessou pela educação das crianças e às vezes temia por sua segurança.Viver fora de sua cultura e cercado de mistério era difícil. Eles pertenciam ao serviço ilegal, a divisão mais secreta da inteligência estrangeira russa, e estavam em contato direto com Moscou. Em seu livro, ela deixa claro que não foi fácil conciliar ser mãe e espiã, apesar de ter sido treinada para lidar com níveis de perigo e adrenalina.

Crianças fazendo uma saudação comunista antes de serem levadas para a URSS

Em 2010, o casal foi traído por um de seus superiores em Moscou e o FBI colocou câmeras e dispositivos de escuta em suas casas, locais públicos e quartos de hotel para localizá-los e outros agentes recrutados por Putin. Sua prisão, juntamente com outros oito espiões, ocorreu em uma operação sem precedentes em julho daquele ano. Em troca de sua libertação, o governo dos EUA negociou o retorno de outros agentes americanos presos. A troca ocorreu no aeroporto de Viena e Vavilova estava vestida com um uniforme branco e laranja da prisão.

Nesse momento os filhos, então com 16 e 20 anos, descobriram a verdadeira identidade de seus pais. Até então, a ideia que eles tinham da Rússia era a de um país alcoólatra e sem educação com ursos andando pelas ruas, conforme descrito pela mãe. Após um longo litígio, Alex e Tim conseguiram recuperar sua cidadania canadense.

Vavilova completará 60 anos em novembro e em seu país é uma celebridade da mídia. Bezrukov leciona em uma universidade de Moscou e aconselha uma companhia petrolífera. Ambos são considerados agentes adormecidos da KGB. A sua figura, para além do retrato de heroína ou de vilã, é a imagem de um povo que desde o berço é incutido no desapego das suas motivações ou valores individuais.

 

 

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação