The news is by your side.

Microsoft descobre esquema de corrupção e encerra parcerias na África e Oriente Médio

Da Redação

A Microsoft anunciou na sexta-feira (25) que demitiu funcionários e encerrou parcerias na África e Oriente Médio envolvidos em esquemas de corrupção.

O caso veio à tona depois que o ex-funcionário Yasser Elabd afirmou haver esquemas de propinas nessas regiões. Elabd, que trabalhou na companhia de 1998 a 2018, denunciou que uma prática comum era utilizar empresas parceiras locais para vendas a consumidores, facilitando descontos.

O dinheiro das deduções, porém, era distribuído entre os funcionários da Microsoft, companhias e até membros do governo.

Além disso, o ex-funcionário contou que fez denúncias a executivos do alto escalão do gigante da tecnologia (incluindo o presidente executivo global, Satya Nadella), mas afirmou ter sofrido retaliação: a Microsoft colocou o funcionário em um plano de melhorias a colaboradores, o qual ele se recusou de participar, e então foi demitido.

Segundo o jornal americano Wall Street Journal, as denúncias foram feitas às autoridades americanas em 2019, mas a chegada da pandemia de covid-19, no ano seguinte, interrompeu as investigações.

A Microsoft teria “atuado por muitos anos em práticas frequentes de propinas” sob influência de autoridades que teriam o poder de vetar ou aprovar licenças de produtos da companhia, destacou um dos documentos de 2019 a que o veículo teve acesso.

“Acreditamos que já investigamos anteriormente essas alegações, que são de anos atrás, e as resolvemos”, explicou o vice-presidente de compliance e ética da Microsoft, Becky Lenaburg.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação