The news is by your side.

PF investiga “rachadinha” e fraude em licitação no Legislativo do Amapá

Da Redação

A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta sexta-feira (8), a operação Double Crack, que tem como objetivo apurar o desvio de recursos da Assembleia Legislativa do Estado do Amapá (ALAP), em suposto esquema de “rachadinha”. No total, são cumpridos 18 mandados de busca e apreensão em Macapá, onde dois parlamentares estaduais são alvos, bem como os assessores que trabalham no gabinete.

Segundo os agentes, o desvio de parte das remunerações era realizado por uma investigada que possuía diversos parentes ligados ao gabinete de parlamentar estadual, sendo a responsável por associar pessoas de sua confiança, que em contrapartida repassavam a maior parte do que recebiam da ALAP para a organização criminosa. Em um dos casos, um assessor que possuía remuneração de R$ 8.354,24 chegou a repassar mensalmente R$ 7.400,00.

A PF identificou pelo menos 33 assessores que agiam no esquema das “rachadinhas”. Porém, atualmente, apenas 14 permanecem nas funções. As investigações ainda apontaram para fortes indícios de que o parlamentar também recebia parte da remuneração de assessores de outro parlamentar, em uma espécie de “rachadinha” paralela. Com os repasses mensais, a organização criminosa recebia, apenas com desvio dos salários dos assessores, o valor mensal de R$ 154.180,00.

Além do desvio de verba, os agentes constataram fortes indícios de fraude na licitação da locação do prédio comercial da ALAP, com a existência de aluguel do local onde funciona a Escola do Legislativo. Foi observado que o prédio era alugado anteriormente por pouco mais de R$ 13 mil para um parlamentar e que o valor do aluguel era pago com dinheiro desviado das remunerações dos assessores.

Há indícios de que esse parlamentar teria “sublocado” o imóvel para a ALAP pelo valor de R$ 44 mil. Para isso, teria coordenado as alterações no imóvel de forma a atender as especificações de termo de referência/projeto básico da licitação, antes do início e divulgação de qualquer procedimento pela ALAP.

A PF estima que os valores desviados de 2019 até o momento giram em torno de R$ 7,4 milhões, apenas com o esquema de “rachadinha”.

Os investigados poderão responder pelos crimes de peculato, corrupção passiva, organização criminosa, fraude em processo licitatório e lavagem de capitais. As penas somadas, em caso de condenação, podem chegar a 42 anos de reclusão.

 

Com informações de CNN

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação