The news is by your side.

Parlamento europeu rejeita discussão sobre perseguição cristã

 

Mais uma vez, um grande órgão governamental se expôs como moralmente falido, se não totalmente desprovido de legitimidade. Em 18 de maio de 2022, o Parlamento Europeu, um dos órgãos legislativos da União Europeia, rejeitou uma proposta para discutir o elefante na sala: a perseguição desenfreada de cristãos em todo o mundo.

A proposta veio em resposta ao apedrejamento e queima até a morte, em 12 de maio, de Deborah Samuel Jacob (Yakuba), uma estudante cristã na Nigéria assassinada por muçulmanos por agradecer a Jesus por seu desempenho em um teste e, portanto, precipitar uma alegação de que ela havia de alguma forma “blasfemado” contra Maomé. Seus assassinos também fizeram um vídeo rindo e zombando de seu cadáver em chamas. Usando esse trágico incidente como catalisador, Jean-Paul Garraud, um membro francês do Parlamento Europeu (MEP), propôs um debate sobre a perseguição aos cristãos e a cristianofobia.

Com 244 votos contra, 231 a favor e 19 abstenções, a proposta foi rejeitada. Considerando que a União Europeia afirma defender os direitos humanos e a liberdade religiosa, vários dos deputados que votaram a favor da proposta foram ouvidos a vaiar e a gritar: “Que vergonha!” em todo o plenário (vídeo aqui ).

Os grupos de eurodeputados que votaram contra a proposta incluíam a grande maioria da Esquerda Unitária Europeia, os Verdes, os Social-Democratas e o grupo Renovar a Europa.

Respondendo à hipocrisia e à duplicidade de critérios, Jean-Paul Garraud, eurodeputado que apresentou a proposta, lamentou que a Comissão Europeia “não queira designar um coordenador para a luta contra a cristianofobia, quando foi criado um coordenador deste tipo para -Semitismo e islamofobia.”

Outros eurodeputados ficaram indignados com o que descreveram como comportamento “vergonhoso” da esquerda. Margarita de la Pisa Carrión, do partido político espanhol Vox, e eurodeputada desde 2019, tuitou: “Que desgraça! O Parlamento Europeu não quer tomar posição sobre o assassinato do jovem nigeriano por ser cristão. não querem condenar a perseguição que nós cristãos sofremos. Isso é imperdoável!” (Original espanhol .)

Da mesma forma, Peter van Dalen, um eurodeputado holandês, twittou : “É uma vergonha extremamente profunda que a maioria do Parlamento Europeu se recusou a debater o assassinato, por apedrejamento, do estudante cristão nigeriano Yakubu, que foi falsamente acusado de blasfêmia”.

“A Europa deveria saber o nome de Deborah Samuel Yakubu”, observou Jean-Paul Van De Walle, da ADF International, um grupo de defesa da liberdade religiosa em Bruxelas. “Esta oportunidade de falar contra o assassinato brutal e injusto de uma adolescente inocente – com base em uma falsa acusação de ‘blasfêmia’, nada menos do que isso – foi imperdoavelmente perdida. Ninguém deve ser perseguido por causa de sua fé, mas parece que o A UE fez vista grossa.”

A ironia de tudo isso é que o horrível assassinato de Débora, que alguns apresentam como uma anomalia, é apenas a ponta do iceberg da perseguição muçulmana aos cristãos. Poucas semanas antes de seu assassinato, um muçulmano matou um padre cristão em plena luz do dia no Egito. Alguns dias depois, outro muçulmano matou outro cristão no Egito; depois, e assim como os assassinos de Débora, ele fez um vídeo se gabando de suas ações, acrescentando que o fez por “lealdade a Alá”.

A lista continua e continua. O que a mulher cristã, Deborah, sofreu – sendo acusada e morta por “blasfêmia” – é comum em todo o mundo muçulmano. Parece ser uma ocorrência semanal no Paquistão, onde não poucos cristãos, incluindo vários deficientes mentais, foram presos, mortos e queimados vivos sob a mesma acusação.

Resumindo, os cristãos de todo o mundo estão sendo ferozmente perseguidos, notoriamente nas nações muçulmanas. De acordo com um grande estudo publicado no início de 2022, “mais de 360 ​​milhões de cristãos sofrem altos níveis de perseguição e discriminação por sua fé – um aumento de 20 milhões em relação ao ano passado”. Cerca de 5.898 cristãos foram assassinados devido à sua identidade religiosa, e 5.110 igrejas e outros edifícios cristãos (mosteiros, escolas, etc.) foram atacados e profanados. Em média, então, todos os dias ao redor do mundo, mais de 16 cristãos foram assassinados por sua fé e 14 igrejas foram destruídas ou profanadas.

Igualmente revelador é que o relatório classifica as 50 principais nações onde os cristãos são mais perseguidos por sua fé. Trinta e nove dessas nações são de maioria muçulmana ou têm populações muçulmanas consideráveis.

Quanto à Nigéria, onde Deborah Samuel foi assassinada, de acordo com vários observadores internacionais, está ocorrendo um “genocídio puro” contra os cristãos. Desde que uma insurgência islâmica começou seriamente em julho de 2009 – primeiro nas mãos do Boko Haram, um grupo terrorista islâmico profissional, e mais tarde pelos Fulani, pastores muçulmanos também radicalizados e motivados pela ideologia jihadista – mais de 60.000 cristãos foram massacrados ou sequestrados durante os ataques. Cerca de 20.000 igrejas e escolas cristãs também foram incendiadas e destruídas durante o mesmo período.

Então, qual tem sido a resposta da comunidade internacional a essa jihad sem limites contra os cristãos em todo o mundo – incluindo, cada vez mais, na Europa, onde várias igrejas são profanadas diariamente? Como recentemente demonstrado pelo Parlamento Europeu, não só os grandes órgãos governamentais estão fazendo vista grossa para isso, mas estão empregando seus vastos recursos para apresentar os perseguidores como vítimas e as vítimas como perseguidores, como ressaltado pelo recente “Combate à Islamofobia” das Nações Unidas.

Embora afirmem defender os direitos humanos, os esquerdistas – e praticamente todos os 244 eurodeputados que votaram contra a proposta acima mencionada são esquerdistas – habitualmente recusam-se a reconhecer, muito menos a abordar uma das crises de direitos humanos mais urgentes dos nossos tempos: a perseguição muçulmana aos cristãos. E eles fazem isso – se podemos ser brutalmente francos por um momento – pela simples e cada vez mais óbvia razão de que odeiam o cristianismo.

 

Raymond Ibrahim, autor do novo livro Defenders of the West: The Christian Heroes Who Stood Against Islam. É membro no David Horowitz Freedom Center, e membro sênior no Instituto Gatestone.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação