The news is by your side.

O fenômeno meteorológico que afundou os maias

 

O nível atual de progresso no mundo tem múltiplas investigações ao longo da história. Graças à curiosidade humana, podemos contar hoje com um nível de progresso sem paralelo. Assim, várias civilizações estudaram milhares de eventos até o ponto em que nos encontramos.

Um dos mais prósperos que existiram ao longo da história surgiu no que hoje seria a área do atual México. Os maias conseguiram ser referência, avançando em alguns assuntos quando ainda eram desconhecidos em outros lugares como a Europa.

No entanto, uma série de eventos conseguiu acabar com essa próspera civilização. Agora, uma pesquisa recente da Universidade da Califórnia conseguiu encontrar o que parece ser um dos principais problemas que os maias enfrentaram no século XV.

Problemas na capital

Por volta do ano 1200, uma cidade na região de Yuctán, Mayapán, tornou-se a capital desta sociedade. Graças à sua grande atividade comercial e agrícola, os maias decidiram que o enclave seria o centro do poder após seu crescimento exponencial.

Rodeado por uma imponente muralha de nove quilômetros e com uma grande pirâmide, Kukulkan, no centro da cidade, tornou-se um marco. Mesmo fora das muralhas, a cidade se expandiu graças ao grande número de oportunidades que a cidade oferecia a todos os habitantes do império.

Cidadãos ou trabalhadores de outros lugares afluíam à cidade em busca de prosperidade. Assim, Mayapán conseguiu abrigar até 20.000 pessoas em seu território, uma conquista e tanto naqueles séculos.

Como referimos anteriormente, a sua atividade principal era a agricultura, embora também se destacasse a pesca, a caça ou a criação de animais domésticos. Apesar dessa grande prosperidade, ocorreria um terrível fenômeno que colocaria em xeque a capital e o futuro dessa incrível civilização.

Depois de mais de 200 anos como capital, a região enfrentou uma seca nunca vista antes. Devido à sua grande dependência da agricultura, a falta de chuva por um longo período fez com que a região sofresse como nunca antes.

Pesquisadores da Universidade da Califórnia destacaram em sua análise que, apesar da existência de muitos problemas no Império Maia, essa seca foi, em grande parte, a culpada. Assim, as condições de vida extremas devido à falta de alimentos como no passado levaram a um colapso total da cidade que favoreceu cenários desfavoráveis.

“Dada a dependência do milho e a falta de reservas de longo prazo, juntamente com a falta de irrigação, o sistema sociopolítico liderado por elites familiares que competiam por seus interesses favoreceu o colapso”, afirmam os pesquisadores.

No entanto, apesar do colapso da capital, o império resistiria por mais algum tempo. Segundo especialistas, graças à possibilidade de mudança para outras cidades de estados menores e independentes, parte da organização política pode ser salva. Isso, aliás, é o que os europeus encontrariam a partir do século XVI após sua chegada ao território.

As lutas entre as elites eram, portanto, o principal problema em todo o império. Apesar disso, fenômenos como essa seca no século XV favoreceram o declínio dos maias, que veriam pouco a pouco seu poder desaparecendo.

Comentários

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar consulte Mais informação